Resenha de Filme: A Menina que Roubava Livros

A Menina que Roubava Livros

Publicado em 2005, The Book Thief, drama de guerra escrito pelo australiano Markus Zusak, com sua história comovente e de fácil identificação, não demorou a atingir o status de best-seller, desses que se encontra facilmente a venda nos mais variados locais. Mesmo com todo o evidente sucesso popular até que demorou relativo tempo para ser adaptado ao cinema. E, exemplos para corroborar a seguinte afirmação não faltam, nem sempre um bom livro se transforma em um filme igualmente bom. Penso que esse seja o caso de A Menina que Roubava Livros, dirigido por Brian Percival – conhecido pela serie de TV Downtown Abbey – e roteirizado por Michael Petroni – O Ritual (2011) e Crônicas de Nárnia: A Viagem do Peregrino da Alvorada (2010).

Da mesma forma que no livro de Zusak, o filme de Brian Percival abre com um narrador curioso: a Morte. Invisível, comumente construída de maneira sinistra e assustadora no cinema, tal como vimos em A Premonição (2000), o personagem Morte de A Menina que Roubava Livros surge através da voz reconfortante do carismático ator inglês Roger Allam, abalizando o clima “terno melancólico” que vai permear a narrativa. A narração acolhedora causa estranheza, mas penso que esse nem seja o maior problema dessa obra que busca trazer recortes dos fatos de uma Alemanha pré e durante segunda guerra através da jovem protagonista Liesel (Sophie Nélisse). A garota, separada de sua mãe pelas autoridades, é posta a viver com um casal alemão sem filhos, Hans (Geoffrey Rush) e Rosa (Emily Watson).

Salvo as tradicionais licenças das adaptações, sempre questionadas e discutidas pelos defensores da fidelidade em relação ao material original, uma das principais caracteristicas do texto de Zusak eram os recorrentes encontros involuntários de Liesel com a Morte. Tanto que o primeiro livro encontrado (roubado) pela menina – O Manual do Coveiro – seria um presente da supracitada Morte durante o enterro do irmão mais novo da protagonista. Mas em A Menina que Roubava Livros esses choques nunca são verdadeiramente palpáveis, A Morte é muito mais uma observadora distanciada, agindo apenas quando lhe é conveniente. Assim a trama do filme se foca nas desventuras de Liesel com seus pais adotivos, o garoto vizinho, Rudy (Nico Liersch), e um judeu acolhido no porão, Max (Ben Schnetzer).

O título, tanto o original quanto o nacional, evoca a edificação da personagem principal através da literatura. Analfabeta, Liesel aprende a ler com Hans em um processo bastante peculiar. Deveria ser comovente essa primeira descoberta da magia da leitura, mas não é, principalmente porque tais cenas são trabalhadas com todo cuidado para arrancar lágrimas dos espectadores mais incautos. Falta naturalidade. Falta sinceridade. Tudo parece mecânico, condensado em uma equação repleta de lugares comuns. Força no enternecimento da audiência num lamentável e didático processo de comiseração pela jovem protagonista. Força num sentimentalismo barato que faria os detratores de Cavalo de Guerra (2011) mudar sua opinião em relação ao (bom) filme de Steven Spielberg.

Entre cenas aleatórias com sua nova família – confesso que me senti constrangido em ver Geoffrey Rush e Emily Watson em papéis tão abaixo de seus respectivos talentos – e os coadjuvantes Max e Rudy, evidenciado o caráter episódico de A Menina que Roubava Livros, Liesel encontra pelo caminho a esposa do prefeito interpretada por Kirsten Block. Proprietária de uma imponente biblioteca, talvez a única da cidade, a entristecida senhora oferece o local, outrora habitado por um ente querido, para que Liesel possa ler quando quiser. E onde poderíamos esperar encontrar alguns bons momentos, novamente a “mão pesada” de Brian Percival repica as sequências, esvazia a diegese de emoção genuína, reduzindo tudo encenado à uma simples transgressão de ambas as personagens.

Engessada, ou mesmo patologicamente atraída pela esforçada Sophie Nélisse, a câmera do diretor demonstra um intransigente interesse pela imagem desolada de Liesel e esquece sumariamente o verdadeiro terror que acontece a sua volta. Penso ser proposital, mas penso também ser um inegável problema construir essa tal bolha protetora entorno da personagem, até porque o mundo privado da mesma nunca chega a existir. O seu diário pessoal é outro acessório obsoleto em criar identificação. Um exemplo claro da fixação por Liesel é de como soa patético ao deixar em segundo plano o instante em que é ateado fogo a uma pira de livros considerados proibidos pelo nazismo. Desinteressado em tamanha agressão a cultura, prefere registrar uma discussão infantil entre crianças que pouco movimenta a narrativa.

Afora tamanhas fragilidades citadas, A Menina que Roubava Livros encontra seus (poucos) melhores momentos quando foca no relacionamento entre Liesel e seu pai adotivo, Hans, ou em uma única cena isolada em que Emily Watson nos lembra o quanto é competente e anda cada vez mais sendo sub-utilizada. Contracenando com Geoffrey Rush, a jovem Sophie Nélisse encontra rara química e a troca de olhares entre os dois atribui alguma delicadeza ao filme. A cena do Natal também tem lá seu que de tocante, assim como os encontros com Ruby e as discussões, sob a perspectiva juvenil, do lamentável momento histórico que presenciavam. Mas, infelizmente, é muito pouco para um filme que pretende erigir o verdadeiro caráter humano por trás das bombas que caiam do céu sobre cidades repletas de inocentes.

Nota do CD:
★★☆☆☆

Nota dos Leitores:




Trailer do Filme:

Ficha Técnica:
Título Original: The Book Thief
Ano produção: 2013
Dirigido por: Brian Percival
Roteiro: Michael Petroni e Markus Zusak
Estreia no Brasil: 31 de Janeiro de 2014
Duração: 131 minutos
Classificação: Livre
Gênero: Drama / Guerra
Países de Origem: Estados Unidos da América
Elenco: Geoffrey Rush, Emily Watson, Sophie Nélisse, Ben Schnetzer, Nico Liersch, Heike Makatsch, Gotthard Lange e Carina N. Wiese.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Celo Silva, Drama, Resenhas

Sobre o autor ()

Comentários (1)

Trackback URL | Comentários de RSS Feed

  1. juliano cesar de oliveira disse:

    Oi adorei sua resenha…mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei… se trata de um livro arrebatador…ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos…..e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos..acesse o link..www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem..

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *